Postagens

Diante do concreto

Imagem
Disponíveis antes que a força bruta
Desmantelasse os ossos de tempos sofridos
Estávamos, eu e tu, diante do concreto
O relógio marcava 23 horas
Chovia fino, havia silêncio, fazia calor
Teus olhos quase claros e gestos singulares
Não davam margem para dúvidas
E eu permanecia sentada observando,
Como se a qualquer momento o mundo
Fosse entrar em guerra
E seríamos os dois, em duvidosa moral,
carregados a um campo de extermínio ou trabalhos forçados
Numa Gulag imprevista de um mundo
Pós-democrático
Perseguidos pela Gestapo das almas perdidas
Antes fosse história, ópera, burlesco
E, na madrugada, pudéssemos apenas
Ouvir com deleite o silêncio e os grilos
Você, a fumar seu cigarro olhando pro nada
E eu, a escrever meu livro, mais umas páginas
Antes fosse apenas filosofia
E um muro não separasse as fomes
E um oceano não se transformasse em máquina de guerra
O que virá não sabemos
Sequer sabemos o que queremos
Você anda perdido de tão encontrado
Amante de tudo nas sacadas de todos
Peito abert…

Nós, os egoístas

Imagem
Ah! Como são tantos a falar
Dos geminianos sem coração
Que se importam, mas não tanto
Esses de alma torta
Que mudam de casa
Mais que de sapato
E começam e começam
A deixar os fins para os outros
Ou nas palavras rabiscadas em cadernos
- Porque não há fim
Tanto quanto só há fim -
Nós, os obscuros
Estudantes dos astros
Para quem a vida é uma teia de mistérios
Da qual só sabemos existir
Pela consciência e nada mais
Pois nada nos obriga
A ter teorias sobre as coisas
Nós, os de sangue insular
Que sentem apertar ao peito
Os maquinismos
Os paquetes
Os marinheiros
Os que constroem estradas
No mar sem fim visto das esplanadas
E nos telhados de Lisboa
Ou de uma terra estrangeira
A minha, mais que a tua
E no sentir tudo de todas as maneiras
Ao íntimo, o gelo do nosso coração
É uma casca fina
De quem sente fingindo
E finge que sente
Gostamos mesmo é do drama
Como o meu em derramar lágrimas
À tua cômoda
Que graça tem a realidade
Da gente que segue os protocolos
E dá à luz o esperado?
Nós, os ridícu…

Humanos

Imagem
No insondável, habitamos
Sólidos, planetários
Trajamos corpos limítrofes
Com almas imortais
Já nos havíamos encontrado
Quando, onde, que importa
Quanto tempo tem uma vida?
Quantas vidas cabem na aorta?
Estamos no agora
E carregamos naves insanas
No meio do peito
Que polidas no viver
Invadem a massa cinzenta
De nossa arrogância
E observam, elas, a maravilhosa
Perfeição da impertinência
De sermos, tão somente, humanos
Carnes que se querem e apodrecem
Mas almas que vieram espelhar-se
Para fazer da vida uma obra de arte
Infinitos, até quando
Residimos nos abismos
Líquidos, como a água do rio
Que se funde no oceano divino
No silêncio, habitamos
Etéreos, terráqueos
E a cada morte
Renascemos extáticos
Um só campo, trágicos
Estrelas de uma constelação
Imperfeita, somos mágicos
No cosmos, amamos
E amar é desaprender


Depois das ruínas

Imagem
Sobre adentrar recônditos escuros,
Espera-me, amor,
Que as ruínas são nossas
Para compartilharmos
Da sede da reconstrução.

Há um gosto amargo
Lançado ao chão?
Eu só vejo luminância
Neste castelo repleto
De teias de aranha.

Cada pedaço de madeira
Que despenca na dormência
Dos nossos corações
É o fogo-fátuo que nos desperta
De uma sombria hipnose.

Faz-se um clarão ao longe,
No subterrâneo,
E há sempre um corpo que jaz
Submerso aos pedaços de ferro.

Mas a luz observa à espreita.
As ruínas oferecem redenção.
Aprecio-as porque desbancam vaidades.

Espera-me, amor!
Vamos recriar a liberdade!




Não analise, celebre!

Imagem
Após o lançamento do documentário Wild Wild Country, Osho virou um dos assuntos mais comentados entre os viciados em séries da Netflix. E também nas redes sociais. Quanto a ele, as questões que fazem com que agora, de uma hora pra outra, estejam pipocando críticos ferrenhos em grau máximo de ódio, são as mesmas que motivam as brigas políticas no país, com um querendo provar estar mais certo e mais correto que o outro, enquanto a vida passa e o sistema político permanece o mesmo. Se tem uma coisa que aprendi com tudo o que cresceu em torno de Osho foi sobre o poder do coletivo para além de toda e qualquer polaridade. E muito mais. Apesar de não o defender como guru iluminado, sem dúvida, aprendi muito quando conheci sua obra e até mesmo com a sua vida totalmente disparatada.

Osho é um mito contemporâneo. Foi uma das figuras mais controversas do século XX, amado e odiado no mesmo grau. Considerado um falso guru por uns, verdadeiro e iluminado para outros, desde criança manifestava inte…

Se há cansaço

Imagem
Se há cansaço
E uma vez vivo, haverá
Há também a casa
Pedaço imenso de conforto
Singular
Que descansa
O que a lida cansa
E nos convida a recuar

Nessas horas pesarosas
Pouca coisa importa
O essencial se porta
Horizonte em nobre cena
Sob as folhas que balançam
Plenas de sua fotossíntese
Ao céu estrelado
Fragmento do óbvio
Que atrai o homo sapiens
Desde o seu primeiro espasmo

E o silêncio inquebrantável
Do abraço que se ama
Confortável
Ruídos de grilo
Ecoando na montanha
Café e cama

Um vinhedo antigo
Lembra que o tempo
É o rei soberano
Se há cansaço
E uma vez vivo, haverá
Há também um oceano
De calma e certeza
De onde é preciso estar


Babel

Imagem
Minha missão
É “incorrer em tautologias”
Nasci errada
Uso mantras diariamente
Por necessidade e prazer
Não sei olhar no espelho
Que não seja para ver as rugas
Que escalam os fossos do cérebro
O azul me enerva
Posto que é cor que não se soube
Por muito tempo
Se uso óculos
Não é para melhorar a visão
Toda a gente já nasce enxergando
Mas esquece
Minhas mãos não me entregam verdades
Meu rosto menos ainda
Tudo o que sei
Coloco em palavras
E elas não são
Absolutamente nada
Para ver de fato
É preciso abandonar
A seriedade
Gosto de descascar as sombras...