A fome

Tenho fome.
De tudo aquilo que me tira o ar.
Desejo comer os meus problemas para digeri-los....
Desejo comer a própria fome,
e também a raiva, a angústia.
Devorar a dor.
Essa dor de perda.
Uma dor de nada.
Desejo mastigá-los, um a um,
o desespero,
os detestáveis e desprezíveis homens que insistem em permanecer,
as famigeradas verdades que proclamamos em palanques
sob bandeiras moralistas.

Eu odeio a fome.
Porém, ela é a única certeza,
uma certeza animal, selvagem,
de que sempre falta alguma coisa,
de que sempre, assim,
seremos eternos escravos do outro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

poesia de domingo

Um cisne em voo solo - carta para Stefania

Phoenix, um poema