O mar

Esse mar tão aberto
que me impele a vivê-lo

Não a desvendar seus segredos
pois já os sei, meu mar aberto

sei a brisa
a força
sei o tom e os silêncios

Esse mar tão meu e tão do mundo
lembra-me a mim
Tão minha e tão do mundo

E o barco que o navega,
meus desejos submersos
aquáticos
fluidos

Metamórficos!!!

Essa metamorfose do mar sou eu
Com ele me entendo

Porque as ondas são a energia da vontade
e, ainda, o expurgo dos males por cicatrizar

E o mergulho o perder-se,
longe do medo de lançar-se

Onde o doce é intempestivo
o raso, profundo
e o espaço, infinito

E o choro que escancaro
minha alegria sob tamanha imensidão

Deus Mar Todo Poderoso!
Fui criada a sua imagem e semelhança!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

poesia de domingo

Um cisne em voo solo - carta para Stefania

Phoenix, um poema