Em tempo, Nietzsche...

Quando a alma parece querer voltar há sempre Nietzsche para livrar o corpo da sombra da alma...

Ao Mistral [canto-dança]
de A Gaia Ciência [tradução de Paulo César de Souza]

Vento mistral, caçador de nuvens,
Matador de tristezas, varredor dos céus,
Como te amo, ó vento que ruge!
Não somos os dois primícias
De um só ventre, predestinados
A um só destino eternamente?

Aqui, sobre lisos caminhos nas rochas
Corro dançando ao teu encontro,
Correndo quando assovias e cantas
Tu, que sem navio e sem remo,
O mais livre irmão da liberdade
Saltas por sobre mares bravios.

Mal acordara, ouvi teu chamado.
Precipitei-me para as falésias,
Para a dourada muralha junto ao mar.
Salve! Como claras, diamantinas
Correntes já vinhas, vitorioso,
Do lado dos montes.

Pelas planuras do céu
Vi os teus corcéis galoparem,
Vi o carro a te levar,
Vi mesmo a tua mão avançar
Quando, sobre o dorso dos cavalos,
Como um raio brandia o açoite.

Do carro te vi saltar
A fim de mais veloz te arrojares,
Como que abreviado em flecha te vi
Cair verticalmente no fundo,
Como um raio de ouro atravessando
As rosas da primeira aurora.

Dança agora sobre mil dorsos,
Dorsos de ondas, malícias de ondas,
Salve quem novas danças cria!
Dancemos de mil maneiras,
Livre - seja chamada a nossa arte.
E gaia - a nossa ciência!

De cada flor arranquemos
Um botão para a nossa glória
E duas folhas para a coroa!
Dancemos como trovadores
Entre os santos e as meretrizes
Entre Deus e o mundo inteiro!

Quem com os ventos não pode dançar,
Quem precisa em ataduras se envolver,
Enfaixar-se como um velho trôpego,
Quem age como os hipócritas,
Patetas da honra e falsos da virtude,
Ponha-se fora do nosso paraíso!

Agitemos a poeira das estradas
Nos narizes dos homens doentes,
Atemorizemos todo o bando dos enfermos!
Livremos a costa inteira
Do alento dos peitos ressequidos,
Dos olhares sem ânimo!

Expulsemos quem turva o céu,
Enegrece o mundo e afasta as nuvens,
Tornemos mais claro o reino do céu!
Ouça-se o nosso rugido... ó espírito
De todos os espíritos, junto contigo
Ruge a minha felicidade como uma tempestade.

E para eternizar a memória
De tal felicidade, toma o teu legado,
Leva contigo esta coroa para cima!
Lança-a mais alto e mais longe e,
Escalando impestuoso a escada celeste,
Pendura-a - nas estrelas!

Comentários

  1. Não existe texto mais feliz que este, só poderia vir da Gaia Ciência!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas