eu, líquida

uma vontade de me fundir com a pedra
para receber a água
uma tal hipnose
que me leva a querer ser uma só com a água
sê-la

lançar-me e me tornar amorfa

mas a correnteza me impede...

essa junção, esse som, esse não pedir passagem
simplesmente porque ela tem que passar

esse nomadismo todo me faz querer não ser cada vez mais
apenas transitar

carregando a maravilhosa indiferença da natureza
o desprezo certo de quem não conhece nomes ou dualidades
o humor necessário daquilo que
mesmo na desgraça, ri

Comentários

Postagens mais visitadas