Medusa



Eu estou fluindo
Sou líquida e fumaça
E a lua me assiste
Aplaudindo minha dança
Mole e lânguida de tartaruga magra

Existe um mundo rosa no céu
Quando giro meu pescoço e vejo a luz
E uma espuma tão branca
A que furam os pássaros
Que passam por elas, entre elas
Pássaros que nadam no céu
Abaixo nuvens quebrando na praia
E eu dançando

Retorcendo de saudade
Fluida intensidade

Com a necessidade de sólido
Mordo a montanha doce
E caio de boca na areia

Saio me esgueirando pelas pedras
E sinto rachar os pés
Sangrar o casco

Sinto mais ainda
Que sou aquilo que não entendo

Porque quero ser marisco
Mas sou medusa que flutua

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

poesia de domingo

Um cisne em voo solo - carta para Stefania

Phoenix, um poema