eterno retorno


o corpo
é esse reservatório de potência
que ora ou outra, desloca
desfila
e vez ou outra se contorce
o corpo é esse reservatório de desejo sem fim
de fome de viver
de não querer esperar
e ser

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

poesia de domingo

Um cisne em voo solo - carta para Stefania

Phoenix, um poema