ninho


minha casa está aberta para o mundo
mas não deveria sempre ser assim!?
porque a casa está na terra,
mas tem portas e janelas

minha casa tem memória e saudade
uma parede vermelha
uma  parede amarela
tanta gente e tantos lugares

minha casa tem presente
e um futuro esplendoroso

tem apenas eu nesta hora
mas estão todos aqui
amigos, amores, família
filmes, discos e livros
tudo aquilo que ou nos amarra
ou nos liberta

prefiro abrir as gaiolas
pássaros só os que vem de fora

minha casa tem cerveja e gengibre na geladeira
chá de hortelã e pé de alecrim
tem suco de caju e de uva
vinho que não se dispensa

tapete colorido e insanidade boa

agora minha janela leva meus sonhos por aí
tem bandeira de oração
presente de coração

a minha casa tem sofá pra meditar
bicicleta dobrada na sala
pertinho da porta
pronta pra sair

tem xilogravura
livro de arte
guarda-chuva
Mondrian

tem fotos
incenso, Buda, artesanato
almofada, flor e cacto

e tem uma cama
grande pra sonhar

tem mesa pra juntar
cozinha pra celebrar o amor

"mas ela é uma casa, não é o mundo"
aí é que você se engana

um dia não haverá nada disso
e ainda assim haverá casa
não haverá móvel, fogão,
rádio, computador

a casa vai ser flutuante
mas será a mesma casa
reconfigurada

porque a casa mora aqui
dentro do peito

qualquer que seja ela
ainda que seja breve
pequena, sem "nada"
terá sempre alegria
saudade, memória
cheiro, paladar
os de sempre e os recentes

e tapete colorido
isso é imprescindível

a casa só é o mundo
quando o mundo é a casa
a casa deve ser uma janela sempre aberta
e uma porta que nunca totalmente se fecha

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

poesia de domingo

Um cisne em voo solo - carta para Stefania

Phoenix, um poema