into the wild


such is the way of the world
such is the passage of time
too fast to fold

é por isso que minha poesia
fala somente ao que me toca
porque aquilo que me toca
faz a vida cumprir seu desígnio
de ser grande
simplesmente porque é
o que não se pode negar
aquilo para o qual
não é possível fechar os olhos

selvagem

assim, quando falo de mim
falo do mundo
não do ego

sou uma mulher que corre com os lobos
que vê a vida como um grande livro
e não se contenta em ler apenas
as primeiras páginas
que tem medo
mas deu a mão à coragem
que vai
porque ficar é morrer devagar

que se lança ao mar,
à montanha, ao amor,
ao novo e sua violência

porque amor é liberdade

e perto da natureza selvagem
é onde me sinto melhor
onde tem suor
corpo, terra,
água, vento,
música
silêncio

com tudo isso
faço da minha poesia
o maravilhoso do dia a dia
porque faço do dia a dia
o maravilhoso

quis ser cineasta
porque penso em imagens
descobri que faço imagens
melhor com as palavras

é com elas que conto do meu mundo
é por elas que passa o meu desejo
e minha palavra nada tem de estéril
ela é fértil
nada hermética
ela é festa com meu corpo
e meu corpo é festa

se escrevo
e publico
hoje posso ter uma certeza
a de que o medo
não merece minha atenção

o que sinto sou eu
e o que sinto não é mais que vida

agora, por exemplo,
chove
torrencialmente
quase não tenho luz
quase não escuto minha voz
meus dias foram intensos
e a chuva chega em boa hora
vem brindar a novidade que hoje sou

have no fear
for when I'm alone
I'll be better off than I was before

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

poesia de domingo

Um cisne em voo solo - carta para Stefania

Phoenix, um poema