2/4


à doce melancolia do samba
meu coração, que é bamba, não resiste
e canta, como se amanhã
o mundo não mais existisse
canta aquele rio que passou em minha vida
e levou meu coração
que assobia
rio denso, águas turvas
o samba, nesse corpo enluarado,
me alivia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

poesia de domingo

Um cisne em voo solo - carta para Stefania

Phoenix, um poema