réquiem

jamais
houve
metamorfose
maior
que esta
nem silêncio
tão doloroso
desses
de nascer
o novo
revirando
o próprio
poço

jamais
a vida
gritou
tão alto
dentro
do meu
corpo

alto,
tanto,
que sou
incapaz
de escuta
e deixo
que se derrame
todo
o pranto

sinto
é rasgo
no estômago
e o coração
pulsando
em cada
veia
desfazendo
toda
e qualquer teia
transformando
em cacos
os laços
para renascê-los
borboletas

sinto
é que rasguei
agora
a placenta
e ando
testando
a carga
nos fios
da solidão
para saber
até onde
aguenta

sei que não mais
haverá drama
estou farta

jamais
houve
metamorfose
mais rara
nem silêncio
tão precioso
desses
de celebrar
o novo
refazendo
o próprio
poço

Comentários

Postagens mais visitadas