25.2.14

o inevitável

passou, o passado
e radicaliza sua falta de sentido
nesta hora

passou o passado

anunciou sua demora
e partiu

uma hora passa
uma hora se transforma em filme
que deixa marca
mas que não é mais que marca
porque se não gera esforço para lembrar as cenas
elas sequer são lembradas

o acontecido ficou lá
no tempo em que foi presente
e o presente é tão somente o presente

um dia fica tão distante
que deixa de existir no tempo
e se torna uma curiosidade afetiva

somos espectadores da nossa própria vida
o que importa é o que está sendo

passou o passado
e o que vem a partir de agora
é a excitante novidade

o novo que nem sei
e aquele que já brota
fruto de semente plantada sem querer
no rastro de uma gaivota

Olhos de poeta

Ainda que me conheçam provável Isolada numa sala Sábia ou desinformada Tenho mesmo é olhos de poeta Quando chego a um novo sítio Ou per...