A conquista do paraíso!


Sexta-feira à noite minha gente! Normalmente, isso pra mim não faz a menor diferença. Mas hoje eu estou naquele pique de sexta, quando as pessoas ficam postando bonequinhos felizes no Facebook ou mandando mensagens chamando para festas loucas ou encontros divertidos. Hoje, o clima é de comemoração! Por isso, espero não ficar muito tempo escrevendo este texto. Mas eu não vou a uma festa louca. Amanhã tenho que acordar cedo. Vou é curtir a casa pós-faxina e o menu da noite, comida asiática. Adoro quando a casa está limpinha. Deve ser coisa de lua em virgem... Saio acendendo velas, curto aquela música boa, deixo o vento entrar pela janela. Delícia! Hoje, então, a curtição está ainda mais rara. Dá aquela vontade de deitar no sofá ao som de Miles Davis, abrir um vinho, ligar para aquela pessoa especial e falar: vem! Tenho cama (grande), comida (bebida também) e (pouca) roupa lavada – no corpo, obviamente...

Tem coisas na vida que a gente leva tempo para conquistar. E cada um com a sua história... No meu caso, a sensação que estou vivendo hoje é bem nova. Sempre fui uma pessoa com dificuldades de viver o presente. Minha mãe diz que a minha música é aquela do Balão Mágico que diz “eu vivo sempre no mundo da lua”. Mas mãe, tenho uma novidade pra vc: as coisas estão mudando. E eu estou começando a entender o por quê. A sensação? A de ter conquistado algo muito precioso, porque muito desejado. Estou me sentindo o próprio Cristóvão Colombo – essa figura que sempre me fascinou – na conquista do Paraíso.

A conquista? Uma enorme felicidade por estar vivendo exatamente o que eu estou vivendo neste momento da vida, nem mais nem menos. Se eu já senti isso alguma vez, não me lembro. Por isso, acho que não. E considerando o fato de que eu vivia sempre em algum outro lugar que não era aonde eu me encontrava, tenho quase certeza que não. Claro, já vivi momentos em que essa sensação esteve presente. Alguns. Mas a felicidade por absolutamente tudo, sem tirar nem pôr, é algo completamente novo. Meus últimos dias foram bem especiais... Acontecimentos estão começando a me mostrar que todos os esforços e investimentos malucos que fiz no ano passado, bem como tudo onde me joguei por pura intuição e paixão, parecem ser de fato o meu caminho de realização na vida. Começo a ver os resultados deste meu investimento. Soma-se a isso um trabalho interno de depuração de traumas e dores, que venho fazendo há um tempo, e o fato de que processo com muita rapidez as coisas dentro de mim a partir dos acontecimentos que me impactam, a ponto de, de uma hora pra outra, virar o jogo. Resultado: estou me sentindo como num clipe, andando pelas ruas de Nova Iorque com os cabelos ao vento, de salto alto e cantando "I got the power". Como quem toma uma droga incrível pela primeira vez ou alcança o nirvana na meditação!

Isso só me diz uma coisa: que estou mais inteira e num caminho mais condizente com o que eu acredito, amo e quero pra vida. Entendeu mãe? Era por isso que eu vivia no mundo da lua, sofrendo. Eu não estava inteira, completa, eu não estava aonde eu queria estar, eu não tinha a minha base... Ainda tinha que comer muito feijão com arroz até isso aparecer, até eu entender algumas coisas e mudar. Agora, a lua chegou perto e eu já começo a comê-la como um pedaço de queijo Gruyère! Parece até papo de autoajuda isso tudo... Mas se sentir feliz assim por estar vivendo tudo o que se está vivendo, não apenas as coisas boas e deliciosas, mas inclusive tudo que há de difícil, complexo ou, possivelmente, chato, doloroso entre outras coisas complicadas, é uma conquista e tanto. Merecia até um brinde com Veuve Clicquot, se eu pudesse comprar uma agora...

Enfim, não tenho muito mais pra dizer hoje não. Embora eu precisasse registrar isso, porque é um acontecimento e tanto e eu preciso sempre verbalizar e transformar a vida em texto. Acontecimento que me diz que eu acertei em cheio no alvo da vida. Bastou seguir a intuição (que eu descobri ser poderosíssima), como o arqueiro zen, que consegue a perfeição no arco e flecha somente quando se desprende de querer alcançá-la. E, assim, a vida também está me retribuindo a confiança. E isso nada mais é que física! A mais pura - e misteriosa - física quântica... 

Então, pra finalizar, eu desejo é que todo mundo sinta o mesmo na vida um dia: a sensação de conquista do Paraíso. Mas olha, fica a dica, o paraíso está dentro e, não, fora. E fiquemos atentos, presentes, porque é muito fácil de repente se tornar um anjo decaído... O paraíso, uma vez conquistado, não necessariamente será o nosso pouso diário. Porém, uma vez conhecido, ele poderá sempre ser revisitado. Por isso, temos mais é que comemorar momentos assim. Porque é muito mais fácil se lembrar de coisas tristes e lamentar. Vai entender o ser humano... Damos tanta atenção à tristeza que quando estamos alegres às vezes nem parece. A gente vai e liga a TV como se nada estivesse acontecendo. Não, tem é que comemorar sim! Então, boa sexta e bom fim de semana! Porque eu, fui...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

poesia de domingo

Um cisne em voo solo - carta para Stefania

Phoenix, um poema