Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2017

CATEDRAL

Há tempos atrás
Sonhei para nós dois
Uma gótica catedral
De pedras firmes
E torres bem altas
Para delirarmos
A ilusão da eternidade

Mas ervas daninhas
Proliferaram  nas cabeças
Dos gárgulas
E no fim dos tempos
O que restou
Foi nada

Até nos esbarrarmos
Na velha cidade
Sob o leito
Da madrugada

Apenas de poesia

Se eu pudesse
Viveria só de poesia
Encarnada na beleza
E na crueldade do sutil
Largaria os delírios errados
As planilhas sem vida
Os contratos que amarram
A burocracia construída

Pois amanheci desejando mergulhar
No que revelam aqueles olhos
Foi por pouco que não te disse,
Não sei bem de que maneira,
Que devias ser meu, por que não

Amanheci querendo o brilho dos girassóis
Dos quadros de Van Gogh na minha janela
E quando eu olhasse a vida lá fora
Não veria apenas os carros que passam

Amanheci querendo mais a prosa de ontem
O riso amigo talhado em reencontros criativos
O prosecco providencial de uma noite sem fim
Poética dos tempos sem tempo da paixão

Amanheci querendo diluir minha alma
No andantino da quarta de Tchaikovsky
Ainda que o russo não rime com o português

Mas amanheci e já tocava o telefone
E me lembrei da moral
E já era tarde para o capital
Pois que lugar pode ter a poesia no tempo do trabalho
Pois que lugar pode ter a poesia no tempo das convenções
Pois que lugar pode ter a…

A-moral

Que o encantamento
É fruto da verdade do imoral
E a imoralidade não mente
Calafrio é calafrio
Pulso acelerado
Não é nada mais que ele mesmo
Que os olhares não mentem
Mais que as intenções
Que sangue é sangue
E a cor azul não mente
A voz, muito menos
O tempo... este menos ainda

Que revela ele deste tempo todo
Que não percebi?

Era uma vez um tempo que passou
E numa página dele
Uma partitura inesperada
Como de praxe constrói
O seu legado
Pergunto: será?
Desejo: será!
Que a moral não é mais forte
E nunca foi
Nenhuma instituição
Jamais venceu a pulsão
Que o mar, o céu e as pradarias
Sempre foram horizontes que conversam

Em suas imensidões líquida e aérea
Dialogam, fluidas, com a imensidão terrestre
De casca, de chão, de história de luta
De seriedade sólida que revela
Uma consistência poética
E uma profundidade de paixão

Que o imoral deseja realizar-se
Pulsão!
E revela, o outro lado, o seu apoio
Porque sempre haverá sim,
Fidelidades perversas
Como sempre,
E a história nunca contradisse,
As …