Depois das ruínas

Sobre adentrar recônditos escuros,
Espera-me, amor,
Que as ruínas são nossas
Para compartilharmos
Da sede da reconstrução.

Há um gosto amargo
Lançado ao chão?
Eu só vejo luminância
Neste castelo repleto
De teias de aranha.

Cada pedaço de madeira
Que despenca na dormência
Dos nossos corações
É o fogo-fátuo que nos desperta
De uma sombria hipnose.

Faz-se um clarão ao longe,
No subterrâneo,
E há sempre um corpo que jaz
Submerso aos pedaços de ferro.

Mas a luz observa à espreita.
As ruínas oferecem redenção.
Aprecio-as porque desbancam vaidades.

Espera-me, amor!
Vamos recriar a liberdade!